21 de jun de 2011

Supressão

Zen Tarot Card

Em sânscrito, a palavra é ´alaya vigyan´: a casa em cujo porão você vai juntando coisas que gostaria de fazer, mas que não pode por causa das condições sociais, da cultura, da civilização. Essas coisas, porém, vão se acumulando ali, e muito indiretamente passam a afetar as suas ações, a sua vida. Elas não podem encará-lo diretamente -- você as obrigou a ficar na escuridão; mas, do escuro, elas continuam influenciando o seu comportamento. Elas são perigosas: é arriscado manter todas essas inibições dentro de você.É possível que essas sejam as coisas que atingem um clímax, quando uma pessoa enlouquece. A loucura não é outra coisa senão todas essas repressões chegando a um ponto em que você já não consegue controlá-las. A loucura, porém, é aceitável, ao passo que a meditação não - e a meditação é o único caminho para tornar uma pessoa absolutamente sã.

Osho in: The Great Zen Master Ta Hui 


Comentário:
A figura desta carta apresenta-se literalmente "emaranhada em nós". Sua luz ainda brilha no íntimo, mas esse personagem reprimiu sua própria vitalidade na tentativa de corresponder a muitas exigências e expectativas. Abriu mão de todo o seu próprio poder e visão, em troca de ser aceito por essas mesmas forças que o aprisionaram. O perigo de reprimir dessa maneira a própria energia natural é visível nas rachaduras de uma erupção vulcânica que está para acontecer em toda a volta da figura.

A verdadeira mensagem desta carta é que é necessário encontrar uma saída de cura para essa explosão iminente. É essencial encontrar uma maneira de dar vazão a qualquer tensão e estresse que possam estar se acumulando, neste momento, dentro de você. Soque um travesseiro, dê pulos, procure uma área deserta e berre contra o céu vazio: qualquer coisa que possa ativar sua energia e consiga fazê-la circular livremente. Não espere que aconteça uma catástrofe.

14 de jun de 2011

Mais um espaço virtual


Bom, lá vou eu,
novamente...

Pq mais um blog? Pq sim. Ou, pq não?
Eu estou com tanta gana de dizer algumas coisas...
Mas não! Não vou falar sobre elas...

Não agora! Pq agora eu quero me esquecer um pouquinho
deste ego que carrego comigo... Com suas necessidades...
Vcs, sabem... Toooda aquela picuinha...

 São realmente os problemas, o que temo?
Ou, não tê-los? Pq afinal de contas eu
me mantenho destas pequenas rinhas...

Por diversão ou por pena
amo e odeio...

Me equilibro nessa linha de pensamento...
Quem sou, para onde vou, e a quê vim?
Enfim, dispensarei estas coordenadas... Por hora...

Agora, quero só dizer que sei que nada sei,
e que ser ou não ser são a mesma coisa, pedra,
folha, pluma, duna... Sou alma pura...

Sou cada coisa e cada lugar, nada mais...
Não ando olhando para tráz...
E no silêncio mais profundo

encontro a paz.

E TENHO DITO.

Mais um blogue sem compromisso ;^)